Coleção de Vinil

sábado, 29 de agosto de 2015

Coleção 20 | Songs From Bluffington (2015) - Doug

Ano: 2014 e 2015
Gravadora: Enjoy The Ride Records
Gênero: Trilha Sonora.
Obs: o álbum não está a venda

Quem viveu a infância nos anos de 1990 certamente não perdia um episódio de Doug.
No post Coleção de hoje, iremos não só falar dessa série fantástica que marcou a infância de muitos leitores, mas também do lançamento do compacto  "Songs from Bluffington" pela Enjoy The Ride Records, com a trilha sonora do desenho e as músicas da banda "The Beets".
A série do Doug foi baseada em um livro nunca publicado, "Doug Got a New Pair of Shoes", do artista e criador da série Jim Jinkins (mesmo criador de Pinky Dinky Doo) e do escritor Joe Aaron. Jinkins deu o nome de Doug ao personagem principal, depois que seu afilhado, Doug Eckhardt, se tornar reitor de Arte Histórica na Universidade da Pensilvânia. A ideia para o "Homem Codorna", um super-herói que Doug imagina em alguns episódios, foi baseada em um super-herói inventado por Jim Jinkins, quando ele era mais novo.
Ela estreou no Nickelodeon em 1991, ficando no ar até 1994. No Brasil, essa fase inicial foi exibida na TV Cultura e SBT posteriormente e  também na Band, dentro do programa PicNick Band. Em 6 de abril de 2009, a TV Cultura volta a exibir a primeira fase em dois horários: 13h30 e 17h30. Esses episódios foram produzidos entre 1991 até o início de 1995, com 3 episódios não-citados. Em 1996, a Disney produziu novos episódios dando continuidade aos produzidos pela Jumbo Pictures. Foram exibidos nos Estados Unidos no canal ABC de 1996 até 1999. Essa segunda fase foi exibida no Brasil pelo Disney Channel e pelo SBT no programa Cruj e também foi exibido na Rede Manchete através do Clube da Criança. Atualmente, a fase Nickelodeon é exibida de segunda a sexta as 13:30 na TV Cultura, horário que nós maiores de 25 anos não podemos assistir.

nick.com
Resumindo, a série se passa na cidade fictícia de Bluffington, para onde Doug e sua família se mudaram, saindo de Bloatsburg. A animação mostra a vida e as imaginações do personagem título, um estudante chamado Douglas Yancey Funnie. Ao lado de Doug, outros personagens principais são seu cachorro Costelinha, seus amigos, Skeeter Valentine e Patti Mayonnaise, e seu inimigo, Roger Klotz, o valentão da escola. A maioria dos episódios começa com Doug escrevendo no seu diário os fatos mais recentes de sua vida e o episódio exibido acaba por ser um flashback de Doug, que narra os eventos.
nick.com
A irmã mais velha de Doug, Judy, é uma fonte constante de conflito. Ela é uma atriz dramática (possivelmente uma beatnik) que sempre usa roupa roxa e óculos escuros, até mesmo dentro de casa. A existência de Doug é praticamente ignorada por ela, já que os interesses dele são infantis, aos olhos dela.
Alguns episódios mostram a versão super-herói de Doug, o Homem Codorna. Doug fantasia que é o Homem Codorna, imaginando versões ao estilo quadrinhos dos fatos que vão acontecendo. O Homem Codorna usa um cinto ao redor da cabeça e uma cueca por cima da calça. Skeeter também possui um personagem no estilo, o Mosquito Prateado (uma paródia do Surfista Prateado da Marvel Comics). Sua banda favorita é Os Beets, outra paródia, dessa vez em uma mistura entre Os Beatles e Ramones.

nick.com
A imaginação de Doug reage a várias situações de sua vida, o ajudando a superar seus medos. Em um episódio, temendo uma visita ao dentista, ele imagina ser um agente secreto ao estilo James Bond, fazendo menção à cena do laser em Goldfinger.
Outro tema recorrente da série é o amor de Doug por Patti. Alguns episódios são focados inteiramente nisso, mostrando tentativas de Doug para se aproximar de Patti, ou de tentar evitar que ela descubra seus sentimentos em relação a ela. Geralmente, esses episódios têm um desfecho mostrando uma esperança otimista para Doug.
Um detalhe notável sobre o design dos personagens é o uso de nomes e cores de pele incomuns. Doug é de pele clara, enquanto seu vizinho Sr. Dink é roxo, Skeeter é verde, Patti é marrom-claro e Roger é verde-claro.
A série foi produzida numa parceria entre a Jumbo Pictures e a Ellipse Programmé para o canal pago Nickelodeon. Cerca de 52 episódios foram produzidos.
Em fevereiro de 1996, a Disney comprou a Jumbo Pictures e iniciou a produção de novos episódios de Doug, rebatizado inicialmente de "Brand Spanking New! Doug", e depois renomeado mais uma vez como "Disney's Doug". Os novos episódios traziam uma irmã caçula para Doug, Motoneta Cleópatra, e também avançou a idade do personagem central para 12 e meio. Também remodelou alguns personagens: Patti ganhou um novo penteado, usa calça azul e tem brincos, Beebe tem um telefone sem fio, usa calça roxa, usa sapatos brancos sem meia, a mãe de Roger ficou rica, Roger usa roupa de manga curta, uma cinta e um colete ao invés de jaqueta, Judy usa sandália preta ao invés de botas roxas e uma roupa de manga curta, Skeeter usa roupa com manga comprida e um colete roxo, e tem um "O" estampado em sua camiseta ao invés de um "raio", Connie emagreceu, entre outras mudanças. Praticamente todos os personagens ganharam novas roupas, e todos os estudantes foram para outra escola. Em 1999, depois de 65 novos episódios e um longa-metragem, Disney's Doug foi cancelado. Durante a exibição do programa foi indicado para 4 Emmys.


Muitos fãs desaprovaram essa nova versão de Doug por causa das mudanças que ocorreram na estrutura da história. Doug se tornou menos imaginativo, fazendo com que os episódios tivessem menos cenas "fantasiadas" em sua mente; outra diferença é a importância do diário de Doug, que é bem menos valorizado do que no original. Doug foi um dos Nicktoons a ser vendido para uma companhia externa, além de Os Padrinhos Mágicos para o Disney Channel e Disney XD.
Opiniões a parte, eu assisti todos os episódios das duas versões, claro que achei a primeira fase bem melhor, não só pelo modo ingênuo que Doug agia em algumas situações, mas também pelo roteiro dos episódios.
Outro elemento que sempre me chamou a atenção era a trilha sonora e os efeitos sonoros da série: toda a sonoplastia do desenho foi construída a partir de barulhos feitos com a boca, as músicas eram constituída de melodias feitas basicamente com vozes (inclusive a abertura), além dos sons e barulhos para vários personagens, como Skeeter, que usa um característico ho-ho! como interjeição.
Temos também algumas canções que o próprio Doug criava como "Patty You're The Mayonnaise For Me" ("Patty você é minha Maionese") e Bangin' On A Trash Can/Think Big ("Batendo numa lata")





Além disso, fomos agraciados com uma banda de rock dentro da série, os Beets uma mistura de Beatles e Ramones, que possuem três canções: "Shout Your Lungs Out", "I Need Mo Allowance" e a famosa "Killer Tofu" (Para nós "Mingau Matador".




Toda essa trilha sonora foi lançada em 2014 pela Enjoy The Ride Records numa 1ª edição chamada de "Songs from Bluffington", limitada em apenas 500 cópias para o mundo todo. Essa primeira prensagem possuía três modelos de compacto em 45 rpm para escolher:  Eletric Blue with Lighting Bolt a Side Label, Beet Purple e Green & Brown Split.

Enjoy The Ride Records
As 500 cópias esgotaram no primeiro dia e infelizmente dessa primeira leva eu não consegui nenhum. Vários fãs, inclusive eu, entraram em contato com a gravadora para que eles produzissem mais cópias do compacto. Para nossa surpresa, em junho de 2015, eles lançaram uma segunda prensagem de "Songs From Bluffington" com três novos modelos de compacto: Mayonnaise Variant (Yellow Vinyl Polka Dot A side label exclusive to Yellow Variant), Klotz Variant (Black/White/Black Vertical Split with Green & Orange Splatter) e Clear With Orange And Green SLIME Splatter. Novamente as 500 cópias esgotaram no primeiro dia e felizmente consegui adquirir uma cópia no modelo Clear With Orange And Green SLIME Splatter.

Enjoy The Ride Records
Devido ao sucesso do compacto, a Enjoy The Ride Records diz que pretende lançar uma terceira prensagem, então quem não adquiriu ainda terá uma chance. Acredito que ainda existam algumas cópias no ebay, mas a um preço astronômico.
Enfim, Doug era um desenho à frente do seu tempo, começando pela sua aprovação em uma época em que a televisão americana não estava apostando as fichas em novas ideias. Jim Jinkins, o criador do popular personagem pré-adolescente, ficou ainda mais surpreso que seu projeto – a maneira encontrada para se expressar e processar os acontecimentos do seu dia – fosse ganhar voz e movimentos.
O desenhista demorou cinco anos para transformar os rascunhos de Doug em um livro (rejeitado por diversas editoras, hoje arrependidas). Na época, ele morava em Nova York e trabalhava na Nickelodeon, mas não quis usar sua posição para promover a ideia de uma série sobre Doug. Foi então que um amigo falou para fulano que disse para ciclano que pediu para beltrano passar o contato da Nicktoons para Jinkins, que teve a oportunidade de apresentar o livro Doug tem um novo par de sapatos para a executiva Vanessa Coffey.


Awww.styleweekly.com
Ela olhou para a capa do livro e, no meio da minha descrição sobre a ideia, ela simplesmente saiu da sala… o que, você sabe, é perturbador”, disse Jinkins. Coffey depois explicou que correu para a sala de seu chefe para dizer que fariam um piloto da história.Com os custos de produção em mãos, Jinkins deicidiu abrir sua própria empresa, a Jumbo Pictures, adquirindo todos os direitos de Doug.
O foco do desenho era a narrativa. “A prioridade pra mim sempre foi a história. Se conseguíssemos dar o play, rir e ter uma mensagem sólida, nós sabíamos que era um bom episódio”.
Ao longo da série, a honestidade foi o ponto principal, ao lado de uma mensagem mais sutil: o desejo de ser diferente em um momento de amadurecimento muito específico. Doug quer ser especial, mas ele está na média. Ele não pode fazer muito sobre o fato de que seu nariz é grande ou que ele é ruim no basquete e pior na dança. Ele não pode se forçar a ser diferente, mas ele tem uma escolha ativa: sempre trabalhar para ser uma boa pessoa.
Essa pureza é o que Jinkins queria comunicar para a audiência. “Nós nos esforçamos muito para evitar a dor e eu pensava: E se a gente não fizer isso? E se a gente contar a verdade? Mas é complicado. No mundo adulto, a noção de verdade e mentira é complicada e eu não queria tornar isso um debate. Eu não queria mostrar as ambiguidades do mundo adulto para as crianças. Eu queria mostrar um mundo onde todo mundo levasse a honestidade a sério.
Não há dúvida de que a vida de Doug é espelhada na de Jinkins. Patti Maionese veio de sua infância, assim como Roger e Sra. Wingo, entre outros. O piloto original, intitulado Doug não sabe dançar, foi inspirado na falta de habilidade do próprio Jenkins, que foi criado em um lar onde era proibido dançar “por causa de motivos religiosos que hoje parecem absurdas”.
Outro ponto relevante na criação de Jinkins é a cor dos personagens. “Algumas pessoas criaram essa ideia de que a liderança – o cara mais importante da série – é branco. Eu ficarei feliz em voltar atrás e pintá-lo de amarelo, roxo, magenta ou qualquer outra cor. As pessoas têm certeza que Skeeter é um garoto afro-americano. E eu digo – ele é azul! Você pensa que ele é o cara da música e canta algumas rimas. Se você o vê assim, ótimo. Não é uma coisa ruim, mas eu nunca planejei isso. Skeeter é azul e é o melhor amigo do Doug”.
Para Jinkins, as cores dos personagens simbolizam a irrelevância das raças. Ele destaca que Roger é verde, assim como a querida professora do Doug, Ms. Wingo. Dessa maneira, a cor não pode ser associada com quem é bom ou quem é mau.
No entanto, a escolha das cores foi muito mais simples. Quando Jinkins decidiu colorir o mundo de Bluffingyon, ele percebeu que tinha muito mais opções que os tons básicos da pele. “Eu olhei para as 200 cores do meu estojo e pensei – Eu estou inventando isso, eu posso fazer o que eu quiser, por que parar aqui?”
Mais de duas décadas após o seu início e 15 anos do seu encerramento, o impacto de Doug é visível além da nostalgia nutrida pela geração que o assitiu.
Segundo Jinkins, ele ainda tem mais uma história para contar. Há algumas semanas, ele comentou a ideia de fazer O último filme de Doug (um complemento ao primeiro filme, lançado em 1999). Se o projeto se concretizar, falará sobre as amizades da infância e o que elas significam para nós mesmo quando acabam. “Essa seria a mensagem final da série – os relacionamentos e as amizades nos mudam e nos moldam, mas elas não duram para sempre”.
Quando questionado sobre o que aconteceu com Doug e Patti, Jinkins hesitou antes de responder: “Você sabe de alguém que conheceu uma pessoa aos 11 anos e acabou casando com ela?

nick.com
Para os fãs, resta aguardar que esse novo filme saia do papel e, para o colecionadores de vinil, que a Enjoy The Ride Records lance mais uma prensagem do compacto.

Alguns trechos do texto foram traduzidos e adaptados do original How ‘Doug’ Pioneered A New Era Of Kids’ TV (And Taught Us A Few Lessons Along The Way), publicado pelo Huffington Post no dia 25 de junho.

Integrantes
Cris Wall - Bateria, Vocal, Percurssão
David Kaplan - Baixo, Teclado, Vocal
Matthew Fox - Guitarra, Banjo e Vocal
Dan Gluszak - Produção, mixagem e engenharia de som
Dave Marino - Masterização
Elliot James - Edição de Arte

Músicas

Side A
1) Theme
2) Patty You're The Mayonnaise For Me
3) Bangin' On A Trash Can/Think Big

B(eets) Side
1) Shout Your Lungs Out (Extended Mix)
2) I Need Mo Allowance (Extended Mix)
3) Killer Tofu (Extended Mix)

Fotos do vinil


Fotos: Diego Kloss
As fotos, capas, álbuns, vídeos e músicas são todos de direitos reservados à Jim Jinkins, Nickelodeon, Disney e as gravadoras (Enjoy The Ride Records) e aos fotógrafos que as produziram. O De Volta Para o Vinil utiliza dessas, apenas para divulgação do álbum ou do artista abordado na resenha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário